Brasil integra ações para biodiversidade

Comitê gestor do Programa Nacional de Conectividade de Paisagens articula órgãos federais para gestão dos ecossistemas brasileiros.

 

Brasília (03/05/2018) – Uma iniciativa para integrar os biomas e promover a gestão dos ecossistemas brasileiros possibilitou o engajamento de diversos órgãos do governo federal. O ministro substituto do Meio Ambiente, Edson Duarte, abriu nesta quinta-feira a primeira reunião do comitê do Programa Nacional de Conectividade de Paisagens (Conecta), criado em março, com foco na articulação de ações para a manutenção dos processos ecológicos e para o desenvolvimento sustentável no país.

Acesse o programa Conecta

A integração foi classificada como fundamental para garantir a conectividade, conceito que envolve a relação das áreas protegidas com outros espaços contíguos e relevantes para setores produtivos como agropecuária e energia. “Essa é uma agenda estratégica, que irá conectar várias das ações realizadas pelo Ministério”, afirmou Edson Duarte. O ministro destacou, também, a importância das ações executadas por outros órgãos federais envolvidos com a agenda.

Para fortalecer a coordenação dentro do governo, o comitê gestor do Conecta inclui representantes do MMA e das instituições vinculadas, da Fundação Nacional do Índio (Funai) e das pastas de Agricultura, Ciência e Tecnologia, Defesa e Relações Exteriores. O grupo trabalhará para construir novas iniciativas e identificar as já existentes. “A função chave é definir como catalisar os efeitos e resultados desses projetos, para torná-los mais eficientes”, explicou o coordenador-geral de Conservação do MMA, Rodrigo Vieira.

ADAPTAÇÃO

O Conecta tem como foco a adoção de medidas para que a conservação da biodiversidade aumente a produção de bases sustentáveis, além de promover a adaptação dos ecossistemas à mudança do clima. “A característica do programa é dar condições para a adaptação acontecer, com instrumentos e iniciativas que permitirão, no futuro, uma paisagem adaptada”, afirmou Bráulio Dias, professor do Departamento de Ecologia da Universidade de Brasília (UnB) e ex-secretário-executivo da Convenção de Diversidade Biológica (CDB).

Com o programa, também serão definidas prioridades no nível local, em áreas protegidas, que englobam unidades de conservação, terras indígenas e territórios quilombolas. “Boa parte da agenda ambiental acontece no território, é preciso identificar as prioridades nessas áreas”, explicou Bráulio. “O assunto de conectividade já atingiu a maturidade necessária”, acrescentou o secretário de Biodiversidade do MMA, José Pedro de Oliveira Costa.
 

Por: Lucas Tolentino/ Ascom MMA

Extraído do site Ministério do Meio Ambiente, acessado em 08/05/2018 – http://www.mma.gov.br/

Compartilhe essa matéria via:

Facebook
Twitter
LinkedIn

Newsletter

Assine a Newsletter do Consórcio PCJ e seja o primeiro a saber sobre projetos, ações de conservação e eventos importantes que acontecerão no ano. Além de notícias em primeira mão sobre todo o universo da água.

Outras matérias

12 de julho de 2024

A disponibilidade hídrica de uma bacia hidrográfica consiste na relação entre a oferta de água superficial e a demanda por essa água em diversas atividades…

Pular para o conteúdo