05.10.2017 - Consórcio PCJ debate com Conselho de Arquitetura a importância de revitalização dos rios nas cidades

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo (CAU/SP) promoveu na última quarta-feira, dia 04, o evento Rio + Cidades, em Campinas (SP), com o objetivo de debater sobre a importância e necessidade da recuperação dos rios para o meio ambiente e mostrar que a sua integração com a cidade pode resultar em benefícios para toda a sociedade. O secretário executivo do Consórcio PCJ, Francisco Lahóz, participou do encontro com a palestra “Rios e Cidades: como torná-los mais resilientes aos eventos extremos?”.

Em sua apresentação, Lahóz enfatizou a problemática da ocorrência de eventos extremos para à gestão da água, em especial, no ambiente urbano. “Ano após ano, grandes secas e inundações têm sido mais frequentes, causando impactos sociais, econômicos e ambientais”, ressaltou.

Ao pontuar sobre os avanços na gestão da água nas Bacias PCJ, o secretário executivo do Consórcio destacou as ações para o futuro, tendo como base que as mudanças climáticas estão interferindo no meio ambiente. Ele citou como exemplos de ações para ampliar a disponibilidade hídrica futura a realização de bacias de retenção na área rural e construção de piscinões ecológicos nas áreas urbanas.

As Bacias de retenção evitam problemas de drenagem e erosão na zona rural, além de serem ferramentas eficientes para armazenar água de chuva e recarregar o lençol freático. São uma alternativa barata diante da atual conjuntura econômica.

Piscinões ecológicos

Os piscinões ecológicos são mais indicados para a área urbana, pois são formas de melhorar a drenagem urbana, evitando enchentes, ao mesmo tempo que promovem a recarga do lençol freático, já que diferentemente dos piscinões tradicionais, os ecológicos não são impermeabilizados.

O local de implantação dos Piscinões Ecológicos poderá receber paisagismo, obras de infraestrutura e lazer, o que permitirá o seu uso como espaço público pela população, diferentemente do que ocorre com os piscinões convencionais construídos em grandes centros urbanos, no qual a comunidade muitas vezes se manifesta contra sua implantação.

Durante a sua palestra, Lahóz destacou o exemplo do Parque Luis Barbosa, em Jaguariúna, uma espécie de piscinão ecológico, funcionando como armazenamento de água de chuva e resolvendo os problemas de inundações no centro da cidade. Outro exemplo citado, foram os investimentos na tradicional Rua do Porto, em Piracicaba, às margens do rio de nome homônimo, e um dos cartões postais do município.

Respondendo ao tema geral de sua palestra que foi “Rios e Cidades – Como torná-los mais resilientes aos eventos climáticos extremos”, o secretário executivo do Consórcio PCJ comentou ser necessário continuar na linha proposta pela entidade desde a sua fundação em 1989 que consiste em “Pense e aja antes que aconteça”.  Assim aconteceu quando da implantação da cobrança pelo uso da água, que reduziu o montante das vazões outorgada de 2006 a 2010 em 40%, gerando uma economia de água próxima a 16 m³/s, o equivalente ao abastecimento de cinco cidades do porte de Campinas.

Tendo esse mesmo norte de ação, o Consórcio PCJ elaborou o Projeto de Contingenciamento para a crise hídrica de 2014/2015 denominado “Construindo Sustentabilidade”, que reduziu o consumo de água da bacia em mais de 20%.  Segundo Lahóz, essas ações, entre outras, somadas garantiram que a crise hídrica não interrompesse o abastecimento da agricultura, indústria e da população.

Projeto Espaços Eco Hídricos

Durante o evento foi apresentando o Projeto do Consórcio PCJ “Espaços Eco Hídricos”, que tem como objetivo fomentar a preservação dos recursos hídricos na região ao estimular ações de conservação, de ecoturismo e turismo rural, valorizando a difusão da cultura regional, gastronomia, hotelaria e ações que direta ou indiretamente possam vir a contribuir com o fortalecimento da sustentabilidade. O primeiro município a aderir à proposta foi Indaiatuba, que assinou o termo de adesão no último dia 27 de setembro.

A iniciativa foi elogiada pelos participantes, inclusive, pelos demais palestrantes da noite, que se interessaram por obter mais informações sobre o projeto, por vislumbrarem que ação incorpora as pretensões do CAU, que é o de “Ressignificação “ dos espaços existentes, atrelando a eles sustentabilidade hídrica, ambiental e económica, com a ampliação de oportunidades de trabalho e qualidade de vida.

O público também ficou muito interessado sobre a realização do 8º Fórum Mundial da Água e em maneiras de como participar desse que é o maior evento sobre o tema no mundo, que acontecerá em Brasília (DF), de 18 a 23 de março de 2018.

Finalizando sua apresentação, Lahóz convidou a todos para acessarem o site do Consórcio PCJ (www.agua.org.br), onde encontrarão notícias sobre o mundo da água, livros, apresentações, apostilas, glossário de termos técnicos entre outras informações sobre gestão de recursos hídricos.

Rio + Cidades

O projeto Rio + Cidades é uma iniciativa do CAU/SP, que vem realizando uma sequência de encontros para debater e sensibilizar a sociedade sobre a importância dos rios nas cidades. O evento em Campinas, foi a sexta edição, que ainda vai ocorrer em mais outros quatro municípios: São José dos Campos (18/10), Ribeirão Preto (25/10), Mogi das Cruzes (08/11) e encerrando em São José do Rio Preto (14/11).

Por meio de palestras e debates com especialistas, o projeto tenta trabalhar a geração de conhecimento e esforços para a recuperação dos rios para as cidades, de maneira que também seja pensada uma forma de preparar as cidades para o convívio saudável com seus mananciais.

IMG-20171005-WA0001