25.05.2015 - Bacias PCJ passarão a receber até 3,5 m³/s a partir de 1º de junho

A Agência Nacional de Águas (ANA) e o Departamento de Água e Energia Elétrica de São Paulo (DAEE) se reuniram na manhã dessa segunda-feira, dia 25 de maio, na Secretaria Estadual de Saneamento e Recursos Hídricos e anunciaram novas regras para retiradas de água do Sistema Cantareira durante o período de estiagem. De acordo com os órgãos gestores, a Sabesp, operadora do sistema, terá de reduzir a retirada de água dos reservatórios dos atuais 13,5 m³/s para no máximo 10 m³/s, a partir de setembro. Para as Bacias PCJ, a partir de primeiro junho o limite de retirada será de 3,5 m³/s, ante os atuais 2 m3/s que estão sendo liberados.

O Superintendente do DAEE, Ricardo Borsari, atentou durante a coletiva de imprensa que obras de interligação entre Sistema Rio Grande e do Alto Tietê devem diminuir a dependência do Cantareira pela Grande São Paulo. “O que está previsto pelo cronograma das obras é que elas entrem em operação a partir do dia primeiro de setembro. Nós queremos preservar o manancial”, disse.

A definição do volume de água que será utilizada do Sistema Cantareira, seguiu o relatório do Centro Nacional de Monitoramento de Alertas de Desastres Naturais, divulgado na semana passada. O documento leva em conta o cenário 50% mais seco que a média histórica. Para o Diretor Presidente da ANA, Vicente Andreu, mesmo com pior quadro climático a situação do manancial deverá manter-se estável, em função da redução da retirada.

Mesmo com essa ampliação para 3,5 m³/s da água destinada às Bacias PCJ pelo Cantareira, a região deverá passar por dificuldades durante o período seco. Para o secretário executivo do Consórcio PCJ, Francisco Lahóz, a região está no limite de restrição hídrica. “As Bacias PCJ sempre necessitaram de 12 m³/s, durante a estiagem. A região tem economizado, em média, 20%, o que faz com que essa demanda tenha sido reduzida para 9,6 m³/s. Descontando os 3,5 m³/s autorizados pela ANA, ainda teremos um déficit de 6,1 m³/s. Atualmente, estamos sobrevivendo com as nascentes e afluentes dos rios da Bacia, mas, a nossa lição de casa vai ser ainda mais severa para a estiagem de 2015”, comenta Lahóz.

O Consórcio PCJ segue com as orientações de contingenciamento para a crise hídrica, das quais se destacam: a racionalização do consumo de água, acelerar o combate ao desperdício nos sistemas de abastecimento, com destaque às perdas visíveis, além de ser importante e bastante oportuna o desassoreamento de reservatórios, rios, lagos, lagoas e córregos, para otimizar o armazenamento de água das chuvas quando vierem.

“É na estiagem que se garante a sustentabilidade hídrica para o próximo ano, com a vinda das tão esperadas chuvas no próximo ciclo hídrico”, finaliza Lahóz.